sexta-feira, outubro 31, 2008

Movimentos Políticos do Internacional

Participar da política do Internacional é um tabu para muitos sócios e torcedores do Clube, e comigo não era diferente. Até que um dia recebi um convite para participar do então Movimento INTERnet, formado por colorados que pretendiam participar das eleições de 2006, na qual elegemos dois Coselheiros (clique aqui para ler o Blog dos Conselheiros). Neste ano de 2008 estou Coordenador desse Movimento que também agregou leitores e colunistas aqui do Blog Vermelho, quando passou a ser chamado de "INTERnet/BV".

Através desse Movimento, motivado pelo nosso interesse em participar ativamente da vida política do Clube, acumulamos experiência e algumas informações que julgo serem de interesse de todos os colorados: quem é quem no Inter, quais são os Movimentos do Conselho, etc.. O que pretendo fazer de forma imparcial, evitando julgamentos e adjetivos. Também não pretendo falar sobre as idéias e opiniões de cada um, apenas identificá-los através de suas figuras mais conhecidas.

A atual direção do Inter, a Situação, é forma por quatro Movimentos: Inter Grande, Ação Independente Colorada, União Colorada e Coração Colorado. O Inter Grande é o Movimento do Fernando Carvalho, Vitório Píffero, Giovani Luigi e Roberto Siegmann. O União Colorada é o Movimento do VP de Finanças e 1° Vice-Presidente, Pedro Affatato, do VP de Patrimônio, Emídio Ferreira Marques, entre outras vice-presidencias como a Serviços Jurídicos, FECI e Parque Gigante. O Ação Independente Colorada, é o Movimento do 2ª Vice-Presidente Mário Sérgio Martins, do VP de Administração Décio Hartmann e do Presidente do Conselho Claudio Bonatto. Já o Coração Colorado, é o Movimento do VP de Marketing Jorge Avancini.

Já na Oposição temos movimentos mais conhecidos por ja terem sido situação e outros menores. Esses Movimentos não trabalham juntos, embora exista maior ou menor afinidade entre alguns. O InterAção e o Inter2000, por exemplo, ocuparam juntos a direção do Clube na Gestão Jarbas Lima/Fernando Mirando (2000/2001), embora estes estejam afastados dos grupos. Atualmente, e até o fim da tarde de segunda (03/11), ambos estão tentando unificar forças em um único nome para conseguir 1/4 do Conselho Deliberativo no primeiro turno das eleições presidenciais, o que é necessário para chegar no segundo turno, quando ocorre eleições diretas. O InterAção quer Felipe de Oliveira, enquanto que o Inter2000 quer Cláudio Bier.

O Movimento Inter Sempre é o Movimento de Emídio Perondi (ex-presidente da FGF e atual Vice-Presidente da CBF), Luis Fernando (ex-VP de Futebol), Pedro Paulo Záchia (Ex-Presidente 88/89 e 94/97) e José Asmuz (ex-Presidente 80/81 e 90/93).

Entre os movimentos menores estão o Inter Colorado, o Mais Inter e o INTERnet/BV. O Inter Colorado e o Mais Inter, na última eleição concorreram sozinhos, já o movimento do qual faço parte, o INTERnet/BV, formou junto com o InterAção e Inter2000 a Chapa 4, a única de oposição a superar a cláusula de barreira naquele ano.

Enfim, o quadro é esse, salvo algum equívoco meu. O julgamento caberá aos eleitores. Mesmo que não haja eleições presidenciais, haverá para o Conselho. Segunda (dia 3) termina o prazo de inscrição dos candidatos a Presidente. Dia 4 os inscritos passarão por uma sabatina e no dia 10 ocorrerá o primeiro turno no Conselho.

Halloween

Pra que Halloween? O Inter já é um filme de terror!!
_____________________________________

Tive uma Quarta e Quinta Feira agitada e o jogo nem passou aqui. O PFC so passara o jogo contra o Nautico na Sexta, mas obviamente ja sei o resultado e quando vi que tomamos gol faltando 10 segundos nem sei mais o que pensar. Não era pra dar certo mesmo né? Peço desculpas ao Alemão Milano, havia prometido procura-lo hoje no Skype mas não deu...tem muita coisa atrapalhando minha vida Internetica (isso é palavra?) no momento, mas prometo procura-lo no Skype durante a semana.

Hoje Sexta teremos uma pequena festa de Halloween aqui em casa. Quando Criança eu adorava Halloween. Eu ia de casa em casa e voltava com saco de supermercado cheios de chocolates, balas, chilcle...era incrivel. Quando cheguei no Brasil em 1979 ninguem aí sabia o que era o Halloween mas desde então me parece que já ficou mais conhecido. Na festa hoje tenho que escolher uma fantasia...tenho 20+ camisas do Inter....talvez eu vá de Clemer? Caregando um frango! Mas acho que os Americanos não vão entender!

Bom agora so resta completar a tabela e torcer para que o Azenha não seja campeão...e num aspecto pra mim mais importante que na Terça feira o Barrack Obama vença a eleição Presidencial aqui nos EUA para acabar com o Reino maldito dos Republicanos que tem fudido com esse país em 20 dos ultimos 28 anos...especialmente no ultimos 8 malditos anos do FDP Bush. Um vitoria do Obama será um momento historico, um Presidente Negro, nos EUA...mal posso acreditar...so vendo mesmo pra crer. Pra quem não sabe eu digo o Obama é um baita Politico...diferenciado, é o Alexandre Pato da Politica. Ele é cara inteligente (e não um imbecil como o Bush), sensivel, jovem com vontade de mudar as coisas para melhor mesmo e não mais um Politico qualquer. Esse é realmente O Cara. Estarei votando nele na Terça, so falta escolher com qual camisa do Inter irei votar. Vou até filmar se possivel.

Vamos Inter, vamos Obama!

quinta-feira, outubro 30, 2008

Jenecrilzos...era para ser uma piada !


Jenecrilza era uma daquelas moças feias, feias não, na verdade era o capeta em pessoa, coitada!
Tão desengonçada que nunca tinha conseguido arranjar um namorado.
Foi pedir auxílio a uma vidente:
- "Minha filha! - disse a vidente.
Nesta vida você não vai ser muito feliz no amor...
Mas na próxima encarnação, você será uma mulher muito cobiçada e
todos os homens se arrastarão aos seus pés..."
Jenecrilza saiu de lá muito feliz e, ao passar por um viaduto, pensou:
- "Quanto mais cedo eu morrer, mais cedo começará a minha outra vida!
"E decidiu atirar-se lá de cima, do viaduto na mesma hora.
Mas, por uma dessas incríveis coincidências, Jenecrilza não morreu...Jenecrilza caiu de costas em cima de um caminhão carregado de bananas, perdendo, então, os sentidos... Assim que se recuperou, ainda atordoada e sem enxergar direito nem saber onde estava, começou a apalpar à sua volta e, sentindo as bananas, murmurou, com um sorriso nos lábios...
- "Senhores, por favor! Um de cada vez..."

././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././././

O Inter atual está cheio de Jenecrilzos, só em outra encarnação...
Jogo de ontem, 500 bolas na área sem jogadores de ataque na área, Indio e Marcão perdendo gols não conta...eles são ´programados` para afastar a bola prá longe, como não jogamos com um matador uns trocentos anos o time não está acostumado a meter bola na área, ficam ciscando até perder a bola. Incrível, mas o Alex fez falta, faltou chutar de fora da área...
Bah... ! @#$%$%¨*&¨%



terça-feira, outubro 28, 2008

A Crise de 1928

Segundo uma matéria de Carla Wendt, Jaqueline Vargas e Tatiana Vasco ( http://tatianavasco.blogspot.com/ ), Cláudio Dienstmann afirmou que, em 1928, quando o Internacional contratou seu primeiro jogador reconhecidamente negro, Dirceu Alves, o clube teria perdido vários sócios, descontentes.

A afirmação polêmica de Dienstmann é esta:"Segundo Dienstmann, com a contratação de Alves, metade do quadro social do Inter foi embora. O argumento era que Alves estava recebendo da Prefeitura para jogar, mas o jornalista acredita que o motivo foi o fato de ele ser negro. 'Ele era humilde e necessitava realmente de ajuda. O que ele recebeu, na verdade, foi uma fatiota', salienta."

Vamos aos fatos. Em 1928 o Internacional correu sério risco de desaparecer, e realmente perdeu um grande número de associados. Porém, a crise atingiu o clube desde o início do ano, marcado por várias derrotas e goleadas sofridas. E Dirceu Alves ingressou no Internacional apenas no 2º semestre, quando a crise começava a ser controlada. Começa aí a desmoronar a hipótese de que ele foi a causa da crise. Quanto ao fato de receber para jogar: na época vigorava o amadorismo, oficialmente nenhum jogador podia receber para jogar. Se essa crítica tivesse aparecido (mesmo como desculpa para abafar o racismo), o jogador teria sido investigado e banido da liga, como já havia acontecido com outros atletas, brancos. De mais a mais, um "profissionalismo marrom" já existia, com jogadores recebendo salário de forma clandestina. No próprio Internacional, o centroavante uruguaio Donaldo Ross era um caso, e nenhum sócio se ofendia com isso.

A estréia de Dirceu Alves, em 02.09.1928, sequer recebeu atenção especial da imprensa da época (bem diferente do que aconteceria com o Grêmio, em 1952, quando a direção teve de publicar uma nota justificando a contratação de Tesourinha, e sócios e ex-dirigentes gremistas lançaram outra nota, criticando a contratação). O que mais chamou a atenção foi a vitória colorada por 7x0 sobre o Concórdia, que parecia colocar novamente o time rubro na normalidade.

Outro problema, bem mais sério, afetava a vida política do clube, e Dienstmann parece ter esquecido: a venda do campo da Chácara dos Eucaliptos. O Asilo Providência, proprietário do terreno, colocou o mesmo à venda, por 40 contos de réis, concedendo ao Internacional a preferência da compra. O valor era elevado, mas a direção colorada recorreu a uma família de peso, os Chaves Barcellos, que além de colorados, tinham dois membros jogando no clube. Os Chaves Barcellos aceitaram emprestar o valor, a juros baixos, prazos longos para pagar, e provavelmente sequer cobrariam a dívida.

Na Assembléia Geral (na época os sócios reuniam-se para decidir os assuntos mais importantes) marcada para oficializar o empréstimo e a compra do terreno, Antenor Lemos, a maior liderança colorada da época, considerou o valor muito caro para um terreno, avaliou que o empréstimo comprometeria as finanças do clube, e que o Internacional precisava se preocupar em conquistar vitórias esportivas, não um patrimônio material. A vitória do grupo de Antenor Lemos, na Assembléia, fez com que várias lideranças coloradas, como Arquimedes Fortini e provavelmente os Chaves Barcellos, saíssem do clube, levando consigo muitos sócios. Ou seja, a crise não foi causada pela contratação de um atleta negro, e sim por uma votação que dizia respeito à sobrevivência do clube (e que foi anterior a Dirceu Alves).

A vitória de Antenor Lemos só agravou a crise do clube. Correndo o risco de ser despejado de seu campo, sem dinheiro, e perdendo vários associados, a situação ficou insustentável. O mesmo Antenor Lemos, em outra reunião, chega a sugerir a extinção do clube. E isso poderia ter ocorrido, se não fosse um outro colorado que logo tornaria-se um líder maior que Antenor Lemos: Ildo Meneghetti.

Ildo Meneghetti conseguiu negociar um prazo com o Asilo Providência, para que o Internacional continuasse usando a Chácara dos Eucaliptos por mais um tempo, obteve o terreno para a construção de um novo estádio (o Eucaliptos) e acertou uma forma de pagamento que o clube pudesse cumprir. Assustados com os rumos que a crise havia tomado, muitos apoiadores de Antenor Lemos mudaram de idéia e não boicotaram os acordos feitos por Meneghetti. O próprio Antenor Lemos, em março de 1929, doou 2 contos e 500 mil réis para a construção do novo estádio. Mas a crise política estava longe de acabar (embora o risco do clube desaparecer fosse debelado).

Em 1929 Ildo Meneghetti tornou-se presidente do Internacional, enquanto Antenor Lemos dirigia a Federação Riograndense de Desportos (atual FGF). E os desacertos entre os dois aprofundam-se. Primeiro, no início de 1929, por iniciativa colorada, foi extinta a “Lei do Estágio”, que praticamente inviabilizava as transferências de jogadores. Antenor Lemos foi contra o fim da Lei. Em abril de 1929, os principais clubes de Porto Alegre fundam uma nova liga, a Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Atléticos (AMGEA), mas Antenor Lemos não aceita a filiação da nova entidade e mantém na FRGD a antiga Associação Porto-Alegrense de Desportos (APAD), que ficou composta apenas por Cruzeiro, São José e Porto Alegre.

A situação agravou-se mais em novembro de 1929. Antenor Lemos convocou jogadores do Internacional para a Seleção Gaúcha, mas o clube recusou a atender a convocação, pois não fazia parte da FRGD. A tensão subiu a níveis intoleráveis, com críticas pesadas ao clube e sua direção. No dia 23.11.1929, em Assembléia Geral, os sócios colorados decidiram declarar Antenor Lemos “o pior inimigo que o clube jamais teve”. O afastamento de Antenor Lemos do clube trouxe de volta a maioria dos sócios que haviam saído em 1928.

Que motivo teria levado Antenor Lemos a adotar uma posição tão radical, em relação a compra da Chácara dos Eucaliptos? A hipótese mais provável é que esta medida, sendo aprovada, fortaleceria, e muito o grupo ligado a Arquimedes Fortini. A posição de Antenor Lemos teria sido, acima de tudo, política, no sentido de enfraquecer o grupo de Fortini. Mas as coisas saíram do controle, e Antenor Lemos quase matou o Internacional. Famoso por sua teimosia, não conseguiu rever sua posição e entrou em rota de colisão com o clube, em 1929. Nos anos 1930 e 1940 voltou a ter uma relação menos conflitiva com o Colorado, mas sem jamais ter qualquer expressão política na entidade. Virou apenas mais um torcedor, e não muito bem visto pelos demais colorados.

Portanto, apesar de sobrarem lacunas nesta história, existem indícios de sobra para afastar a hipótese de que a contratação de um jogador negro tenha sido o motivo da crise colorada, e sim questões políticas internas ao clube. Desconheço as fontes de Dienstmann para chegar à sua conclusão, mas analisando os jornais da época, e as obras existentes sobre o Internacional, não encontro motivos para chegar a tal hipótese. Somente as atas das reuniões de diretoria e das Assembléias Gerais do período poderiam jogar uma luz sobre o assunto, mas ao que parece tais materiais estão perdidos. Também ocorreram algumas reuniões de sócios, convocadas via imprensa, mas das quais não sobrou relatos. De qualquer forma, isso também foi antes da contratação de Dirceu Alves.

Você é o Presidente!

Parabens leitor. Você, sim você, é o novo Presidente do Sport Club Internacional! Bom, ao menos durante o tempo que levará para você responder a pergunta desse topico.

A eleição foi feita. Você foi um candidato surpresa que ganhou porque ___________ (você preenche a lacuna) e agora está no comando do Inter.

Quais seriam a 5 primeiras coisas que você faria e qual seria seu objetivo principal para os proximos 2 anos.
_______________________________

Eu faria o seguinte:

1- Tomaria a decisão de que o Gaúchão seria disputado com um time reserva do inicio ao Fim. Infelizmente o Gauchão tá ultrapassado e o Inter tem que trabalhar e focar em menos objetivos. 4 ou 5 campeonatos por ano é DEMAIS e o gauchão perde a disputa entre CDB, Brasileirão, SulAmericana/Libertadores.

2- Muricy Ramalho voltaria para o Beira Rio.

3- Sem Libertadores em 2009 o foco principal e quase obsessivo seria o Brasileirão.

4- Faria tudo possivel para segurar alguns jogadores chaves em 2009. Entre eles, Guinazu, Alex, D'Alessandro e Nilmar. E não desistiria ainda no Daniel Carvalho. Jogadores nabas seriam liberados e reforços competentes viriam em seus lugares.

5- Traria mais conforto para o torcedor no estadio, começando pelo estacionamento que no Beira Rio parece tudo menos estacionamento. Estamos em 2008 e ainda estacionam carros no barro no Beira Rio?! Facilitando a ida ao Beira Rio só traria mais gente ao estadio. Alguem iria ao Shopping Praia de Belas se tu tivesse que estacionar no Barro?

Objetivo Principal: Tetra Campeonato do Brasileirão.

Fala Presidente, quais são as 5 coisas que você fará assim que assumir o Inter?

Minha Essência

Imaginem uma criança, um menino, na faixa dos 10, 12 anos de idade. Pra quem tiver um assim na família, fica mais fácil. Pra quem não tiver, pense no filho de algum amigo, de algum vizinho, qualquer um serve, por mais pentelho que seja. Quem ainda não tiver conseguido vislumbrar a figura, lembre-se da sua infância ou, no caso das gurias, de algum irmão, primo ou coleguinha da escola.

Bueno, tudo isso pra dizer que eu, com essa idade, já colorado devidamente identificado, nunca havia visto o Inter ganhar nada de expressão. Quando eu tinha 12 anos, o Inter amargava quatro anos sem títulos. Nem Gauchão, hein! E, pra piorar, quando o Inter estava chegando perto de um título, morria na praia. Foi assim contra o Flamengo, foi assim contra o Bahia e foi assim contra o Olímpia.

Essa época de vacas magras somente viria a ser interrompida em 1991, com a Copa Governador do Estado, título que eu vibrei como sendo uma grande conquista. Lembro-me desses tempos e não consigo imaginar como se sente um guri colorado, hoje, com seus 12 anos.

O que posso dizer é que após tantos anos de sofrimento na infância e adolescência, um simples jogo de maior expressão tornava-se, pra mim, algo mágico! Foi assim o Brasileirão de 2000. Um time recheado de garotos da base (Lúcio, Leandro Cuerreiro, Fábio Rockemback e Diogo Rincón) eliminou o Atlético/PR em sua recém inaugurada Arena da Baixada e disputou as quartas-de-final do Brasileirão com o Cruzeiro no Mineirão. Como na minha infância, não ganhamos, mas pelo menos voltávamos a chegar perto. Creiam, pra mim, àquelas alturas, já era uma grande coisa!

Em 2003, outro time de garotos (Nilmar, Diego e Daniel Carvalho) começava o ano desacreditado e quase acabou na Libertadores, embora, verdade seja dita, era melhor ter chegado à última rodada daquele Brasileirão sem chances do que levar aqueles cinco do São Caetano. Mas, vá lá! É caindo que se aprende a caminhar.

Em 2004, um jogo oficial contra o Junior de Barranquilla. Aquele jogo mexeu comigo. As lembranças mais recentes de disputas internacionais oficiais eram da Libertadores de 1993, algo para se esquecer. Então, 11 anos depois, o Inter voltava a ser internacional. Isso que ainda tinha aquela bobagem dos gremistas nos chamarem de intermunicipal ou inter regional. Não sei se a gurizada de 10, 12 anos de hoje se lembra disso.

Depois de várias decepções (a pior delas a de 2005, com Luiz Szweiter no tapetão e Márcio Resende de Freitas no gramado), ao menos tínhamos, de novo, uma Libertadores por jogar. A caminhada de ascensão no cenário futebolístico, embora ainda desprovida de títulos de expressão, continuava. A cada jogo, a cada novo adversário, eu, aquele menino colorado sofrido, me sentia mais orgulhoso, mas realizado, mais confiante. No meu íntimo, eu desafiava a seqüência trágica dos últimos anos, desafiava as marés e não temia a praia.

Pois foi justamente ao pisar na areia que nos deparamos com o grande desafio, a finalíssima contra o detentor do título continental e mundial, São Paulo. A interrogação antes do primeiro jogo era, tão-somente, quantos gols de vantagem os paulistas fariam. Mas nessa onda de favoritismo absoluto do adversário, vi o Inter jogar como um time grande tal qual eu jamais havia visto e nem vi mais desde então.

Aos 16 de agosto de 2006, ao entrar no estádio senti que, o que quer que acontecesse nas horas seguintes, o resultado jamais influenciaria no meu jeito de ser, na minha paixão, no meu sentimento, no meu espírito colorado. Eu já havia sofrido demais, eu já havia perdido demais. Eu já tinha estado no Beira-Rio lotado e num Beira-Rio deserto. Eu já tinha sido vítima de toda sorte de gozações em se tratando de futebol, mas continuava lá, firme, forte e com fé.

Muitos já não conseguiam mais me acompanhar. Após a vitória no Morumbi, um grande amigo colorado me disse que não iria ao jogo, pois já conhecia a história. O quadro de mais uma tragédia colorada estava pintado e ele não queria mais fazer papel de figurante. Muitos pensavam assim e eu, embora continuasse desafiando o destino, não os condenava. Mas apesar disso tudo e apesar dos pesares, ganhamos a Libertadores. Aquela noite fria e gelada no estádio passou e, quando vi, eu já estava numa tarde quente e seca, para acompanhar a chegada do time Campeão do Mundo à sua casa.

Fim de festa e, ao pisar as pedras do estacionamento, vi que tudo continuava igual. Igual a antes, igual ao tempo em que eu tinha 12 anos. Aquele orgulho, aquele deslumbramento de ver o Inter jogar contra times estrangeiros, de viajar a novos destinos e de conquistar a América e o mundo, não me tornou presunçoso a ponto de achar que eu passara a ser melhor nem maior que ninguém. Nem eu, nem nenhum outro torcedor, nem meu time, os jogadores ou quem quer que fosse se tornou super poderoso ou sobrenatural. Continuamos humanos, de carne e osso, filhos de Deus, com nossos defeitos e nossas limitações. Pois foi assim, com essa consciência e com essa humildade, que vimos nosso time ganhar o mundo.

Além disso, não me esqueci dos anos em que passei sendo subjugado, subestimado. Aliás, de tempos em tempos, ainda ouço cânticos que expressam uma discriminação que nós, colorados, carregamos conosco desde a origem, e com a qual, por certo, ainda teremos que conviver durante muito tempo. Aqueles que viram o Rolo Compressor, seguramente sabiam das dificuldades de jogadores que, por muitos anos, só podiam disputar a Liga da Canela Preta. Os que viram o time da década de 70, sabem das dificuldades por que passamos nos anos anteriores e no período em que se ergueu um gigante sob as águas do Guaíba.

Espero que essa mesma consciência esteja sempre presente na mente dos colorados, pois quero vê-la nas arquibancadas, quero vê-la nos vestiários e quero vê-la no gramado. Mas, mais que isso, quero ver essa consciência no Gabinete do Presidente. Se não agora, em 2009.


segunda-feira, outubro 27, 2008

A Noite Das Asas Vermelhas


Quem viu o Soy Loco Por Ti America lembra da Voz no filme que aparece de vez em quando lendo textos emocionantes, é a Voz e Textos do Emanuel Neves que agora estão em LIVRO! No filme eu havia pedido pra ele ler e gravar algumas partes dos textos. Esses textos e outros estão na integra nesse livro. Leia as informações vindas dele mesmo. Esse livro vale a pena ter!


O livro "A Noite das Asas Vermelhas - Crônicas Coloradas" estará à
venda a partir de sexta-feira, dia 31/10, assim que a Feira do Livro de Porto Alegre
for aberta.


Esse livro reúne praticamente todos os textos que circulavam aqui no Orkut na época
da Libertadores e do Mundial - naquelas tardes, noites e madrugadas inesquecíveis em
que víamos, pouco a pouco, a América e o mundo mudando de cor. Além daqueles textos,
o livro traz algumas crônicas que eu escrevi pro Final Sports e mais algum material
inédito. Todas as crônicas têm o Colorado como tema central.

"A Noite das Asas Vermelhas - Crônicas Coloradas" estará à venda em
diversas bancas da Feira do Livro, em especial na banca 113, da Besouro Box, que é a
editora. A banca da Besouro fica na frente do Memorial do Rio Grande do Sul e terá o
melhor atendimento da Praça! O preço do livro é R$ 25,00, mas estará custando R$
20,00
durante a Feira do Livro. Para o pessoal do Interior: a editora também
distribuirá a obra em diversas cidades do RS, mas o mais garantido é comprar pelo
site www.besourobox.com.br.

No dia 15/11, um sábado, às 18h30min, rola a sessão de autógrafos no Pavilhão de
Autógrafos da Feira. Seria um prazer poder conversar com vocês lá e agradecer pela
força e o carinho que sempre me deram. Se esse livro surgiu, é muito porque vocês me
ajudaram. Muito obrigado, gurizada.

O quê: A Noite Das Asas Vermelhas - Crônicas Coloradas, de Emanuel
Neves, editora Besouro Box.

Como comprar: A partir do dia 31/10, em diversas bancas da Feira do Livro de
Porto Alegre (especialmente na banca 113, em frente ao Memorial) ou pelo site
www.besourobox.com.br

Quanto custa: R$ 20,00 durante a Feira do Livro. Depois, R$ 25,00.

Autógrafos: Dia 15/11, sábado, às 18h30min, no Pavilhão de Autógrafos (é
um Gre-Nal, gurizada. Meu parceiro Felipe Sandrin, da comunidade 'delas', vai estar
autografando o seu "Amor Imortal", também da Besouro Box. Fica a dica pra quem tiver
familiares e amigos do outro lado
)

Comunidade: http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=18191264 (Nunca
divulguei, mas talvez seja interessante pro livro. Quem quiser add será muito
bem-vindo).



Interpretações

Cada vez mais eu me convenço de que as pessoas lêem e escutam o que querem, ao invés do que foi escrito ou pronunciado. Esperta é a imprensa maliciosa, que faz muito uso dessa manobra. A manchete enfatiza algo que, ao ler na reportagem, pode ser bem ameno. “Alex joga a toalha”, traz o título. Ora, o que se entende pela expressão jogar a toalha? Desistir, abandonar, dar por encerrado, impossível, inatingível. Ainda no título, que segue no tom “Vaga na Libertadores é difícil”, agora anunciando palavras do próprio atleta, não consigo identificar o que o primeiro termo quer dizer. Desde quando alguém admitir que determinado objetivo tornou-se muito difícil de ser alcançado, virou sinônimo de desistência? Que seja numericamente quase impossível. Que seja, de fato, só por milagre. Pode-se perceber que a manifestação consciente do Alex é que, realmente, está muito distante a possibilidade, é preciso somar 20 pontos dos 21 ainda disputados. É claro que analisando as atuações inconstantes apresentadas até aqui, a gente se olha no espelho e entende os limites. Não é a isso que me refiro. Somente quero saber por que o título usa uma expressão subjetiva e assim transmite algo que o cara não disse?

Quando foi anunciada a titularidade do goleiro Lauro e, por conseqüência, a reserva de Clemer, havia uma manchete que dizia: Clemer fica chateado com a reserva. Era um vídeo, apertei o play e (juro!) em nenhum momento o Clemer disse que estava abatido ou o que valha. Falou pouco, mostrou um tanto de constrangimento, mas não disse nada de estar chateado, pelo contrário, respondeu sempre que a decisão era do treinador, que o Inter é maior que o jogador. Aquele discurso pronto, reconheço, mas ainda que nos pareça frase feita, é o que ele deseja transmitir. São, inegavelmente, as suas palavras. E se a mim, a ti, ao repórter e à vovozinha parece que ele está cabisbaixo, podemos, no máximo, usar os famosos “dá sinais”, ou, “indica”. Mas daí a botar palavra na boca do fulano, é demais. Mesmo que não tenha usado um termo forte, contundente, o título é direcionado, te induz a concluir precipitadamente. Isso é subjugar a inteligência dos espectadores. Irrita.

Mudando um pouco o foco, temos alto espírito crítico com nosso time. O coloradismo é feito muito disso, traços de personalidade que vão marcando a torcida. Igual a tudo na vida, trata-se de uma postura com prós e contras. O bom está no fato de pouco nos deslumbrarmos, parte da torcida jamais permitiria, em fase de afirmação (tardia) no campeonato, que o site do clube exibisse a frase “Quem joga mais que Alex no Brasil?”. Pra que isso? Ganha título? Ajuda a equipe em alguma coisa?
Que besteira mais sem nexo.

Então, vejamos, tu que me estás lendo. Tá escrito aí que eu tenho algo contra o futebol do Alex? Não né? Se sim, lê de novo, por favor. Eu reprovo a ostentação individual, enquanto o grupo oscila entre a glória do grenal e o terror do Coxa. Essa pergunta do site me obriga a responder: Tá, ninguém joga melhor que o Alex, mas e daí professor? E o campeonato?

Agora, se eu não escrevo o anterior parágrafo, aposto que abro os comentários e vejo algum, de preferência eloqüente, me chamando de louca por falar do Alex. Isso também irrita.

Mas voltando à torcida e antes disso só mais uma historinha. Eu tinha uns 20 anos quando passei pela fase mais fudida na Faculdade de Arquitetura. Era a reunião de muitas coisas, o excesso de exaustivos trabalhos, as muitas horas letivas, as poucas dormidas e pra completar, minha inocente e imatura vida. Nessas madrugadas, em véspera de entregas curriculares, em meio a um mar de papel, lapiseira, caneta, tinta e lágrimas, meu irmão mais velho, engenheiro, Eduardo, já corcunda de fazer a maquete pra irmã, me olhava com firmeza e dizia com autoridade que eu ia conseguir acabar, salvando o semestre.

Algumas vezes eu passei com A, outras, com B e também C. Eu nunca rodei, em qualquer disciplina. Mais tarde confessou-me o Dudu que todas as evidências escancaravam que eu não ia dar conta. Ainda bem que ele, naquelas horinhas brabas, nunca me disse a sua verdade. Ele apenas torceu pra que eu me superasse e ajudou no que podia. Do contrário eu desistiria, sentaria no chão com risco de grudar a bunda em pingo de Super Bonder, e choraria a tristeza de reprovar o semestre antes mesmo de terminar, ainda que faltando poucas horas pro fim. E é desse jeito que eu torço, pra camisa, que ela nunca desista.

E A MUDANÇAS CONTINUAM

Recebi email do Gonçalves hoje se desligando do BV. O Gonça teve uma bela contribuição aqui no BV e fez muito pelo blog com seus videos, seu Justin TV e organizando churrascos e varias outras coisas. Fica aí meu agradecimento a ele pela dedicação e pelo tempo que nos ajudou aqui e assim a todos que ja passaram e contribuiram nos quase 3 anos de Blog Vermelho. Mas como no futebol, temos aqui tambem que nos adaptar as saídas e ajustar o time e já começamos a introduzir novas vozes no Blog nos Sabados e Domingos.

Mas vale lembrar que o Blog Vermelho não é um site "profissional". Não temos sede na Avenida Ipiranga, não temos agenda politica, não recebmos apoio da RBS, ninguem é pago pra escrever aqui. Nos não somos o "establishment" e nunca fomos. Somos um Blog de torcedores Colorados expressando nossas ideias da melhor maneira que sabemos e podemos num mundo virtual. Alguns com belos textos, alguns com Videos, outros pegando pesado ("Tough Love" como se diria aqui nos EUA) para o bem do Clube enquanto outros mostrando apoio incondicional. Cada um tem sua maneira de contribuir. Variedade é bom. Por isso nunca determinei que o Blog Vermelho seria um Blog de 1 só tipo de torcedor, pra mim a variedade de opiniões é o que é importante.

Muitos reclamam que essa ou aquela pessoa faz criticas demais no Blog sobre o Inter, que é secador e tal e que essa atitude não ajuda o clube e muitos chegam a pedir "a cabeça" de tal colunistas. Mas eu acho essa atitude de censurar os colunistas completamente errado. Nos 3 anos de Blog Vermelho eu nunca mandei um colunista trocar ou apagar o que tinha escrito, mesmo que eu não concorde com o texto. Como sempre digo enquanto o assunto seja o Inter e que não haja ataques pessoais a outros no Blog o texto tá valendo. Censura nas raras vezes que aconteceu só tem acontecido nos Comentarios quando a coisa fica feia por lá. Mas garanto se comparado com Blogs da Globo, ClicRBS, Juca etc... o pessoal aqui é muito mais civilizado. Raramente temos conflitos por aqui, na maioria dos casos o pessoal sabe discordar sem agredir (algo que um tal Raulzito recentemente não consegiu entender).

Então é isso e a bola continua rolando....

domingo, outubro 26, 2008

NOVIDADES NO DOMINGO

Mais dois textos de novos colunistas nos fins de semana no Blog Vermelho. Como escrevi ontem, novos colunistas serão introduzidos no BV nos Sabados e Domingos, com tempo eles podem passar a escrever em dias da semana.

Nesse primeiro dia eu que to colando seus textos aqui mas a partir da semana que vem eles terão acesso proprio para fazer suas postagens. Bem vindo as novas vozes do Blog Vermelho!

Jones Fernando Cerioli (Jones UK)

Impossivel??

Quinta feira a tarde, meu unico dia off ja prevendo um final de semana desgastante e uma semana exaustiva e as luzes da cidade estao acesas, ja que chove e a unica claridade visivel sao os predios comerciais.

Eu me sento a janela com uma caneca de cafe, como que fosse a unica coisa que faz a quinta valer a pena penso na noite anterior, na magnifica vitoria ante o Boca ( meia ou nao ) era o Boca.
Depois de uma vitoria dessas fica dificil nao comecar as especulacoes e projecoes para a proxima rodada do brasileiro , mas infelizmente elas nao sao nada animadoras e de subito imagino que a classificacao para a LA e impossivel.

Sozinho e ainda de ressaca so me resta dormir um pouco ja que para isso a chuva nao e empecilho. Passo os olhos pela estante como que de praxe a procura de algo para ler que me traga o sono.

Entre alguns ja devorados e outros que eu nem me atrevi a comecar destacava-se um livro grosso. Nao sei porque me falhou a memoria mas nunca eu poderia pensar que ali estava aquele velho dicionario da lingua portuguesa, surrado cheio de orelhas e com as folhas amareladas.
Como que fosse o destino ou entao por pura preguica de arrumar os demais que cairam em efeito domino na falta do dinossauro, resolvi ler algo ali mesmo com a intencao de que as pequenas letras pudessem me auxiliar na procura pelo sono.

Meu destino seria a letra K, por um infortunio ou nao, ele se abriu na I, Veja, a I de Impossivel cuja definicao : que nao e possivel; extravagante; insuportavel ; inadmissivel.
Definitivamente Impossivel e impossivel no dicionario tambem, nao a ha duvida de que a palavra que estavava a minha frente e a mesma que fora dita varias vezes por todos os colorados com quem conversei sobre a nossa participacao na LA em 2009.

Ao inves de fechar o livro como bom colorado comecei uma verdadeira perseguicao a algum conforto. Por querer o abri na letra E, E de esperanca: tendencia do espirito para considerar como provavel a realizacao do que se deseja; probabilidade.
Fechei o dicionario com a mema rapidez com que eu o abri e com uma certeza. Sao 8 jogos, como ja dito 8 decisoes que podem se tranformar em 24 pontos que garantiriam nossa vaga.
Sigamos no E de esperanca e para os ceticos vale lembrar que o I de impossivel e o mesmo I de INTERNACIONAL.

______________________


Guilherme – Campo Bom


Vencer é sempre obrigação


Hoje as 18:20 pelo horário de Brasília no Mineirão em BH o Inter jogará mais uma final, nesse campeonato brasileiro todos os jogos deveriam ser encarados como tal e quem sabe assim não teríamos perdidos pontos ridículos como para o Ipatinga ou Santos que podem ter sentenciados a nossa não classificação para a Libertadores 2009.

Considero a vaga para a libertadores Utópica já que existem cinco times brigando pelo titulo enquanto tem apenas 4 vagas para a libertadores, então o que restará a nós que estamos a 9 pontos do quinto colocado??

Resta a nós jogar com raça e com vontade, fazer a nossa parte para se caso alguém de cima vacile possamos tomar a frente na tabela e ficar com quem sabe a última vaga da LA.

A palavra UTOPIA representa bem a situação do Inter em relação a LA e seu futuro, veja a definição pelo Michaelis:

- Plano ou sonho irrealizável ou de realização num futuro imprevisível; ideal.

A realização do Inter voltar a ser um time de chegada passa invariavelmente pelo planejamento do próximo ano. A direção tem que entender que 2009 já chegou e que já deveria ter assinado pré-contratos com no mínimo dois laterais de qualidade antes dos nossos adversários e mais a substituição dos jogadores que vão sair. Provavelmente Alex e Nilmar estarão lamentavelmente fora do centenário.

Então vai o pedido ao Ilustre Presidente do Inter e seu Vice de futebol que torne o ano do centenário em um ano vitorioso e que a volta a Libertadores seja um sonho realizável num futuro previsível, o ideal para um time do tamanha do Inter.

HAJA O QUE HOUVER....PASSE O QUE PASSAR

(Vou postar abaixo dos bons textos que apareceram por aqui no fim de semana)

Infelizmente é chegada a hora de dar adeus à esse brasileirão, mais um em que não conseguimos confirmar a expectativa que o torcedor, imprensa local e nacional depositou no clube com melhor grupo no Brasil.

Mais um em que os pontos perdidos contra equipes de qualidade técnica inferior e outros pontos em jogos com falhas individuais ou má administração coletiva do resultado de partidas praticamente ganhas fizeram a diferença.

O que fazer daqui pra frente? Sinceramente primeiramente jogar toda a força , disposição e porque não dizer contar com a sorte que seja para essa conqista do título da Suk Americana, mesmo com a desconfiança da irregularidade toda que encontramos nesse ano.

Devemos torcer para que ao menos façamos um bom resto de campeonato e porque não usar o exemplo do Boca Juniors e testar novos jogadores ou novas situações de jogo nos poucos jogos que restam, já que o que se espera da saída de Nilmar e Alex a reposição a altura e a solução para a carência que já não é de hoje de alas confiáveis já seja um pensamento diário da atual direção.

Entendo que nós torcedores agimos das mais diferentes formas, eu particularmente torço fielmente que as coisas se encaixem, tipo faço um bloqueio de todos os problemas e tão somente deixo me levar também na política do jogo à jogo, confesso que isso tem me feito muito bem ultimamente, claro que fico mau humorado também quando saímos derrotados, mas lógicamente fico feliz por demais da conta quando vencemos uma partida...na ultima quarta feira então... afora o jogo, o que vi no Beira Rio foi o mais puro sentimento de não estar só, além de rodeado de amigos criados por aqui pelo blog e também na minha vida afora o Inter com meus colegas do barun estive rodeado de vários colorados que fizeram aquela festa única naquele barulho incrível de se ver e de dar orgulho de ser colorado.

Vou colocar um vídeo que nosso amigo Fred fez no dia, acho difícil alguém já não ter visto, mas gostaria de postar aqui novamente.




Uma boa semana à todos!!!

P.S.: Semana passada fizemos nosso futebolzinho da turma dos blogs, com o fim de semana meio que atribulado acabei não fazendo referência à isto e fui cobrado também hehehe, ae vão umas fotinhos...e vídeos do evento.




Watch live video from SOCCER & FRIENDS on Justin.tv


LIBERTADORES 2009

Acabamos de ser desclassificados da "Pre-Pre-Libertadores".

Agora só resta fazer do centenario o ano do finalmente TETRA CAMPEÃO BRASILEIRO. Tudo e todos no Inter devem a partir de agora focar em UMA COISA SÓ, a Conquista do Brasileirão de 2009. Não uma vaguinha pra libertadores 2010 e sim ser CAMPEÃO DO BRASIL pela primeira vez em 30 anos, algo que a maioria por aqui nunca viu.

É isso que eu quero diretoria! E Acho que muitos aqui querem mais um Brasileirão que uma Libertadores.

TODO FOCO NO BRASILEIRÃO 2009! SEM DESCULPAS!!

sábado, outubro 25, 2008

NOVIDADES NO SABADO

Pessoal como falei anteriormente vamos começar a incluir novos colunistas no Blog Vermelho. Vamos usar Sabados e possivelmente Domingos como porta de entrada ao Blog para esses novos escritores. Ainda não determinei por completo como será feito e quem especificamente (sera mais de um, talvez dois, tres ou ate quatro) entrara mas a ideia é essa, usar o espaço nos Sabados e Domingos para introduzi-los. Os unicos criterios que peço dos escritores é que seus topicos tem a ver de uma ou outra maneira com o Inter e que mantenham uma certa regularidade em posts feitos, muita gente gostaria de escrever nesse espaço então não podemos ocupar uma vaga semanal mas só escrever 1 vez por mês. Isso é importante e peço que os candidatos pensem nesse criterio antes de se candidatar a uma vaga. Bom então vamos lá. Vou começar com duas Colunas hoje e mais uma ou duas amanhã. Detalhe, isso não é uma competição como das outras vezes é como falei uma introdução. Depois via email passarei mais detalhes aos novos Bloguistas.
___________________________

LUIZ FLAVIO CENCI

Sabado é dia de estréia

A ansiedade de uma estréia, ou até mesmo da responsabilidade de escrever para um público tão seleto e qualificado como são os leitores do Blog Vermelho, faz com que se respire fundo e cada uma das palavras aqui digitadas. É como um drible, um passe certo, uma bola roubada, um gol marcado, porém com a mesma vontade que o Giñazu e com a habilidade do Alex afinal você só percebe a dificuldade que é escrever, quando a responsabilidade recai sobre você. Dito isto, vamos ao que interessa: Hoje, sábado é também dia de jogo e jogo importante, pois estamos a pouco mais de dois meses nos separando de 2009 e no Beira Rio a única certeza que se tem é que tudo ainda é muito Incerto, ta certo que uma vitória diante de um Galo depenado e que não canta mais soberano dentro do seu próprio galinheiro, pode aumentar a nossa chance de irmos a libertadores no ano do centenário. Respeito é bom diriam os sábios e é claro que o Clube Atlético Mineiro merece ser respeitado, porém é necessário trazer na mala 3 pontos de Belo Horizonte.

Possibilidades, previsões e especulações onde cada um visualiza um mesmo destino: Conquistas em 2009 para escrever majestosamente a página 100 do livro Colorado, página esta que já foi manchada por uma “segunda agremiação” ali pelos lados da Azenha. A receita para incrementar o bolo do centenário é simples e tem um único ingrediente que são doses repetidas de vitórias, mas com muito envolvimento dos "chefs" da cozinha colorada. É difícil? Sim, muito complicado, porém não improvável.

Hoje 25 de outubro, meu filho completa 14 anos, torcedor fanático com o seu pai, ele como todo garoto de sua idade tem o sonho de vestir o manto e jogar no Gigante mas isso ja é outro bolo, outra página e outra história. E assim a vida segue, um sonho de cada vez.
_______________________________

Fernando Caporal de Moraes

Brio sem brilho

Não foi uma atuação brilhante a do Inter ontem à noite contra o Boca, mas foi com muita gana e altivez que o colorado nos fez lembrar os grandiosos momentos vividos num passado nem tão distante assim. O time foi brioso, porém o pouco brilho da noite esteve todo na estrela iluminada chamada Alex.

O meia canhoto, que já jogou de lateral e agora tem atuado como segundo atacante, definitivamente, não tem que provar mais nada a ninguém. A maior polêmica do BlogVermelho já não tem mais o porque ser debatida. O Super Alex, já tem quase 30 gols na temporada, já foi artilheiro do gauchão, fez excelentes jogos contra times grandes, vide o Grenal e a partida de ontem e, inclusive, já vestiu a amarelinha que ele sonhou por tanto tempo. O Alex sim, tem brilhado.

Mas é quase uma estrela solitária. Não que faltem craques ou referências no time. Temos, e se comparado com o resto das equipes brasileiras, temos até com sobra, aja vista o Daniel Carvalho no banco de reservas. O problema é que está faltando o algo mais que se espera de um time com tanta qualidade. É aquilo que chamamos de liga.

Porém, enquanto isso não acontecer temos que jogar como quinta-feira. Na base da superação. Com a alma do Índio, com a bravura do Magrão, com a vontade de vencer do Edinho e, claro, com a torcida sendo o décimo segundo jogador. Se aliarmos a este anseio de vitórias a qualidade do D`Ale, o oportunismo do Nilmar e o brilhantismo do Alex temos sim condições de vencermos a Sul-Americana e salvarmos o ano pré-centenário. Se formos brilhantes melhor, mas eu me contento se formos briosos.



Filmes Dublados

Um Gremista pegou uma versão de um filme de Hitler e colocou legendas sobre o Inter, até os Colorados acharam engraçado por isso coloco aqui. Mas com um detalhe, os Gremistas sempre atrasados pois essa ideia eu já havia usado a mais de um ano depois do Grenal dos Banheiros Quimicos. Confere os dois "filmes" a dos Gremistas realmente é muito bom, mas acho que se alguem conseguir o video limpo dessa do Hitler podemos fazer uma versão pra eles tambem.

Aventuras de Toshiro do Blog Vermelho (2007)


Video dos Gremistas (2008)


sexta-feira, outubro 24, 2008

Arbitragem de Homem!

No jogo da última quarta contra o Boca, vi muitos colorados surpresos com o juiz: ele dificilmente dava faltas. Claro que pode ter acontecido lances mais polêmicos para um ou outro time, mas não estou aqui para debater a qualidade da arbitragem do juiz Jorge Larrionda, mas o estilo "não-brasileiro" dela.


Nesses jogos dos torneios continentais os times brasileiros sempre são prejudicados por não estarem acostumados ao tipo de arbitragem "jogo corrido" dos juizes "não-brasileiros". Convenhamos, é um saco assistir jogos com determinados juizes no Brasil. Aqui é comum aqueles jogos feios e truncados, por que ao menor contato físico o juiz dá falta. Não sai jogo, é faltinha o tempo todo. O único critério é: caiu, falta; não caiu, não é falta. Assim é fácil apitar (e eles se complicam, irritam torcida e jogadores). Um juiz "faltinha, faltinha" que chama minha atenção e me irrita na arquibancada é o tal do Paulo César Oliveira. É o pior deles. O rei da faltinha.

Por isso que os jogadores brasileiros (inexperientes), quando atuam com um árbitro estrangeiro chegam a parar de olhar para o jogo após sofrer uma entrada mais dura. Mas o jogo prossegue, por que não está escrito em nenhum lugar que não se pode usar a força no futebol. Não está escrito em nenhum lugar que se deve ser gentil, cordial e delicado para roubar a bola do adversário. Futebol é jogo varonil, de contato físico de choque. Claro que alguém vai voar longe se rachar com o Índio, por exemplo. Mas se foi NA BOLA, não é falta.

O juiz que deixa o jogo correr e a bola rolar está muito mais adequado ao espetáculo. Quem está ali para aparecer são os jogadores, não o juiz. Ele deve ser coadjuvante e não o protagonista do jogo (como acontece em 90% dos jogos no Brasil), por isso eu prefiro mil vezes as arbitragens da Conmebol: o jogo corre. Resta ao Inter(se for preciso) saber dessa diferença e orientar o treinador e os jogadores.

---------------------

Aí surge uma dúvida. O mito de que o futebol argentino é violento não decorre exatamente do fato deles saberem entrar firme e na bola (DE ACORDO COM O QUE PERMITE A ARBITRAGEM)?

Já cansei de ver o Guiña ser repreendido após entrar com força e vontade... NA BOLA.

---------------------

O crédito da foto acima é do "Fred Colorado". (clique aqui para ver mais fotos dele no PicasaWeb)

quinta-feira, outubro 23, 2008

LEMBRETE A DIRETORIA



Um pequeno mas importante lembrete a Diretoria Colorada. O Ano começa em JANEIRO e não em Agosto. Nesses 2 ultimos anos dormimos na primeira metade do ano, vendemos jogadores e aí tivemos que esperar até Agosto para trazer reforços. Guinazu, D'Alessandro, Daniel Carvalho, Magrão, Nilmar (se não me engano) e outros vieram em Agostos pra "salvar" o Inter de erros cometidos na administração de Janeiro a Julho mas como vimos 2 anos seguidos isso não funciona. O Time tem que ser montado em Janeiro pra entrar em campo pronto em Fevereiro e já estar engrenado em Abril e arrasando em Agosto.

Escrevo esse lembrete porque to sentindo que assim que terminar o ano vamos sofrer algumas perdas. Alguem ficaria surpreso se Alex e Nilmar forem embora no fim de ano? Nilmar joga com a Europa na sua cabeça (ele mesmo admite isso!) e Alex arrasando como tá não vai ter como segura-lo, se bem que deveriam tentar segurar ambos até Agosto de 2009.

Por favor diretoria, não vamos desmanchar esse time que temos agora, vamos montar em cima do que temos e entrar em 2009 prontos (quem sabe uns laterais de verdade e dizer tchau ao Edinho?). Se não tiver Libertadores paciencia, quase que prefiro mesmo ganhar é o Brasileirão pela primeira vez em 30 anos! Mas não vamos ganhar Brasileirão se o planejamento começa em Agosto!

Auto - Retrato




Os que me conhecem, sabem que hoje estou meio deprimido......brincadeirinha



Assisti o jogo de ontem contra o Boca B (= braba ou baba) com uns dez blogueiros, amigos virtuais cada vez mais pessoais, o Rafa Sefero (sefero depois da cirurgia no nariz), Gonça, A Milano, Felipe Milano (irmão do A Milano, porém muito melhor acabado, gente boa e mais equilibrado diferente do fraterno malaço), a dupla de Assadores rebaixados, o Fabio Ourique e Eber, o Grande (e um pouquinho ´forte` ) Assador titular Alexandre, a PV Lucia, representante dos corneteiros nos treinos do Inter (ela vai lá e coloca o dedinho no nariz dos boleiros), o gurizão Denilson - aquele que não vê o jogo, só quer saber de cantar e pular = falta de chupeta na infância), o Otávio, meu filho de 16´s (o que achou o Denilson muito ´infantil`...eheheh ) e o seu amigo V. Gordo, neto de um renomado comentarista esportivo da praça. Faltou uns 02 ou 03 que não sei o nome, principalmente o fdp atrás de mim que xingava todo mundo de fdp, nada pessoal...ehehehe. Também conhecemos um cara que parecia o tio de Perdigão, cabelos encaracolado, grisalhos, o cara certamente é o Pelé dos corneteiros, falando ´todas` até no aquecimento dos goleiros, o cara simplestemente odeia o Ôgro Edinho, nuestro capitan sin una pierna e sin un ojo, las otras piernas e ojos tienen um pequeniño defecho...mas como nos habla nuestra mestra Diana, bamo que-le bamo.

Agora falando sobre o jogo, o Boca armou um ferrôlho bonito, só deu um chute no gol do Lauro EM TODO O JOGO, foi um jogo mais emocionante pelas circunstâncias do que bonito de se ver, sem laterais no 1º tempo (no 2° entrou o Marcão - anos luzes à frente do G Néry (fora GNéry, muito ruim e sobrando soberba, pois joga como se craque e dono do time fosse), sem saída de bola qualificada, querer isso do Edinho e Andrézinho é ´cegueira`. Quem vê o Andrézinho jogando pode pensar se tratar de um bom jogador, só que não se locupleta, todas as suas jogadas são inconsequentes, parece ser uma entidade à parte, parece não fazer parte do time, pois pega a bola e faz o que lhe dá na ´telha`, independente da posiação no campo onde a jogada ocorra, ex: resolve driblar na frente da área do Inter e f...se o resto, é como o Edinho perigo de gol (fogo amigo).
Alguém escreveu que o preparo físico está ruim, pois o time parou, como jogar bola com um meio-campo de 03 jogadores, um deles, o Edinho parecendo um ´buda`, Andrézinho correndo a esmo e produzindo zero (isto que comparado com ele mesmo, jogou muito bem , mas o ´muito bem` do Andrézinho NÃO SERVE, sobra o Magrão para marcar e criar e o Dale para recuar um pouco e criar tudo, o Dale é o que dá o ritmo do time, pois é um meia-articulador nato. Na frente o Nilmar corre contra 02 ou 03 zagueiros e o Alex que joga parado e no máximo executa 03 / 04 jogadas boas por jogo, não tem preparo para jogar e combater o tempo todo, apesar de querer jogar pelos lados do campo, o qual não consegue qualquer vantagem pessoal, também quando recua chega até a comprometer, fazendo faltas desnecessárias, armando contra-ataques dos adversários, por sorte nossa a efetividade dele neste ano está excelente, aquelas bolas que dantes iam na ´popular` hoje estão ´entrando`, sorte nossa, palmas para ele !
Ontem nossa bola era para 1 x 0 e olhe lá ! Simplesmente não chutamos à gol, não fizemos jogadas de gols com naturalidade e treino, as coisas funcionam meio que na ´porrada`, se ganha muitos jogos assim, mas ganhar campeonatos neste improviso é outro departamento...

Resumindo, temos excelentes jogadores para formar um bom time, mas o TT não é treinador para isto, coragem e arrojo não são suas virtudes, o time joga embolado pelo meio e proporciona ao adversários contra-ataques pelos lados, quando o contrário seria o correto, jogar pelos lados e fechar o meio...
Talvez a volta do Guina no lugar do Andrézinho, corrija bastante, mas se colocassem o Sandro (muito bom jogador) no lugar do Edinho, talvez até o Danny no lugar do Angelo, fazendo um 3.2.3.2 o time poderia ´decolar de vez` - Lauro, Indio, Bolivar e Marcão (na LE), Danny (entre LD e meia-lua da área) e Sandro, Magrão, Guina e Dale, Nilmar e Alex. O ideal seria Nilmar e um atacante de referência, mas isso só pro ano, pois ninguém foi testado ali...

Fazendo jogos tal qual o IBOVESPA, ainda temos alguma esperança neste ano...


ALEX²



Deixe sua avaliação do jogo de hoje no Blog Score abaixo:


Gols filmados pelo Andre da arquibancada. Perfeito angulo no Segundo gol para ver a curva da bola. Melhor que da TV.



Vai ser muito dificil o Alex ter novamente um ano como vem tendo em 2008, ele simplesmente tá arrasando! Se por acaso ele repetir 2008 em 2009 aí a Seleção deverá ter um lugar fixo para ele.

Hoje mais uma vez quem decidiu foi o Alex, duas vezes e da mesma maneira. Alex é o artilheiro do s gols dificeis, não tem gol facil pra ele ou ele entra driblando meia zaga ou ele faz de fora da area ou de falta. Nada mais justo que o Dunga te-lo convocado.

A Diferença de 1 pra 2 a zero é muito grande contra o Boca lá na Argentina, nada garantido mas com certeza esse gol a mais ajuda. Mas não podemos jogar como time pequeno lá e levar sufoco 90 minutos porque dessa maneira o Boca não deixa a vitoria escapar. Vamos aprender com o passado!

Em geral gostei muito do time. O Time tava rapido com bom toque de bola mas tambem é claro que as deficiencias de sempre estavam lá como o Edinho e a falta de laterais de qualidade. Resta ver se o Boca jogará com titulares e esperar o retorno do Guinazu que será de extremo valor. Com ele em campo é outra coisa.

PS: No Chat antes do jogo falei o seguinte pra Diana:

Louis S. e ai vamo ganha hoje 2 a 0 hein
diana eu nao arrisco placar
diana sou péssima no palpite
Louis S. eu nao arrisco quando nao sinto o resultado...mas hoje sinto
Louis S. two nothing
diana olha q o teu sentimento no grenal vingou hein

Fico por aqui, quero ver o que a Diana e o Nelson terão para nos contar na suas colunas de Quinta!

PSS:

O COL escreveu nos comentarios e vale botar aqui:

Duas coisas muito engracadas, ou comicas na realidade, durante a transmissao da Fox:

1) Lauro defende a bola e o comentarista argentino diz que o Inter cansou das lambancas do Clemer.

2) Narrador anuncia que DC vai entrar. Comentarista diz algo do tipo: "Daniel, el gordo?"

e mais umas que eu escutei na Fox Espanhol tambem:

3) No lance do quase Penalti do Nilmar eles falaram mal da iluminação do Beira Rio que faz muita sombra. Luz boa e equilibrada não deixa sombras.

4) NÃO NARRARAM OS GOLS!! Simplesmente não narraram! É porque a Fox tem narradoes da Argentina. Ja a Fox Americana as vezes tem narradores radicados no EUA e esses narram Gols do Inter como o Uruguaio Jorge Ramos. Lamentavel essa da Fox hoje!

5)Falta preparo físico para Inter segundo a fox.

foto: Itamar Aguiar

terça-feira, outubro 21, 2008

DIVISOR DE ERAS: Você está Aqui


Eu nunca tinha visto esta foto até poucos minutos atras quando achei ela na Internet. Nesse momento o Inter estava a menos de 1 segundo do fim dos anos de Ouro que nos levou até o Octa Gaucho, Tri-Nacional Invicto e a um passo de vencer a Libertadores de 1980. Era o Gol da Vitoria do Nacional na Final da Libertadores de 1980. Mauro Galvão se não por meros centimetros evitava o gol. Falcão assistia o fim de uma era.

Começava nesse instante um periodo escuro na historia do Inter que duraria 26 anos. A escuridão não foi imediata, foi gradual. Passava um ano, dois anos e só ganhavamos Gaúchões e olha que tinhamos até um bom time nos anos 80. Na Epoca, até 1980, pra quem nem vivo era ainda, saiba que eramos o "Boca" do Brasil. Tinhamos mais titulos Nacionais que todos os outros inclusive um de forma invicta e titulos Internacionais era uma questão de tempo. Se tivessimos mantido METADE do ritimo dos anos 70 hoje já seríamos Octa Campeão Brasileiro!

Nem o Boca era o Boca ainda. No momento desse gol do Nacional, o Boca tinha 2 Libertadores e uma Copa Intercontinental, longe ainda de ser o bicho papão das Americas que veio a ser a partir especialmente do ano 2000. Uma vitoria naquela final e hoje quem sabe poderia ser o Inter o time mais famoso das Americas. Mas a realidade é que estamos longe disso. Longe mas nem tão longe assim que em poucos anos não possamos mudar isso. 2006 finalmente nos apresentou ao resto da America e ao Mundo mas agora precisamos ganhar mais e mais. Não adianta ter um bom ano e depois desaparecer por 30. Em menos de uma decada o Boca ganhou 4 Libertadores, 2 Copa Toyotas, 2 SulAmericanas e 3 Recopas. Veja como a SulAmericana que é geralmente desprezado AJUDA a elevar o Status do Boca como Rei das Americas. Titulo Internacional é Titulo Internacional.

Vou ser honesto, não gosto da babação de ovo em relação ao Boca. Muitos tratam eles como intocaveies, seu estadio como "O TEMPLO" de futebol na America do Sul, sua historia como unica e bla bla bla. Tudo bem, merecem respeito pois dominaram até agora essa decada, mas sinceramente quero ver esse mito todo cair e cair o mais rapido possivel. Duas vezes nos ultimos anos vi o Inter enfrentar o Boca e cair diante deles como um clube comum, lutando em casa e tomando um vareio na Argentina. Mas temos mais uma chance para mudar essa historia!

Dessa vez por mais irregular que o Inter tem sido acredito que temos um time capaz de enfrentar o Boca (meia Boca ou não) de igual para igual lá na Argentina e de ganhar no Beira Rio. No papel o Inter continua com um timaço; D'Alessandro, Alex no auge, Guinazu o Monstro, Nilmar fazendo muitos gols, Indio e Bolivar e otima fase e varios outros jogadores que contribuem. Passar pelo Boca agora é obrigação e não só no Beira Rio. Especialmente lá na Argentina temos que jogar futebol como Machos e não se entregar no primeiro ataque deles e depois abrir as pernas como fizemos lá no passado. Sinto que dessa vez vais ser differente.

Já ganhamos uma Libertadores em 2006. Um Mundial da Fifa e uma Recopa. 2 Titulos Internacionais em 2006 e um em 2007. Não faz nem 2 anos ainda e analizando de longe estamos historicamente vivendo nessa era ainda. Pelas dificuldades recentes e por viver no imediatismo pode até parecer 2 mundos distintos mas daqui a 30 anos 2008 será visto ainda como o inicio da era que começou em 2006. Então essa SulAmericana, esse confronto contra o Boca faz parte da Era Internacional do Inter, estamos vivendo isso nesse momento! E temos que ganhar. Temos que continuar emplilhando Taças Internacionais, ao menos 1 por ano. Porenquanto estamos mantendo a sequencia! Temos que começar a tirar as taças do Boca e leva-las ao Beira Rio. Já fizemos algo em 2006 que o Boca não consegiu em 2007 (ganhar o Mundial) e agora tá na hora de declarar no fim a era do BOCA.

É Inter x Boca, porra!

Há quatro anos eu chegava em casa ansioso. Tomava um banho rápido e me fardava. Preparava uns petiscos, tirava cerveja do freezer, hasteava a bandeira do Inter na sala e lacrava o volume da TV. Quase não acreditava: o Inter ia jogar contra o Boca Juniors! Qual a competição? Qual a fase? Ah, isso pouco importava. O Inter estava se alinhando a novos adversários, mais poderosos que os dos dez anos anteriores. Isso é o que contava. O colorado estava voltando a ser, de fato, internacional.

Primeiro tempo: 0 x 0 e o Clemer já havia levado um cotovelaço “inocente” do Schelotto. Segundo tempo e eu deslizei de joelhos para comemorar o gol de Sóbis. Sabe aqueles jogadores ingleses deslizando de joelhos nos gramados úmidos da Grã-Bretanha, que parecem mais perfeitos que o meu recém comprado tapete da sala de estar? Pois é, fiz igual a eles. Deslizei de joelhos no meu tapete seco da sala de estar. É que mesmo torcendo pela TV, eu dou o sangue pelo meu time. Boca 0 x 1 Inter, em plena Bombonera, e eu com os joelhos ralados no chão da sala! Não encontro definição melhor para felicidade!

Tenho certeza de que muitos outros colorados também trilharam seus tapetes, quebraram seus controles remotos, viraram suas cervejas e coisas assim ao comemorarem aquele gol. Naquela época (nem faz tanto tempo assim), a gente era feliz com bem menos!

Em 15 minutos tomamos quatro gols, mas bastou mais um do Diego (um dos gêmeos, lembram?) para fazer renascer a esperança colorada na supervalorizada Copa Sul-Americana. E na semana seguinte o Beira-Rio estaria lotado e viveria um clima de decisão que há anos, mas põe anos nisso, não se vivia. Sem contar que já no jogo de ida, lá na Argentina, mais de 3 mil colorados estiveram presentes na Bombonera. Isso é o que eu chamo de dar valor ao que se tem!

Pois, bueno, amanhã tem Inter x Boca, de novo. Pela Sul-Americana, de novo. Mas desta vez, não tem mais aquele charme. Tá bem, a primeira vez é a primeira vez e todas as outras, são as outras. Mas não é bem aí que muda a forma da torcida encarar o jogo de amanhã.

Tudo bem que amanhã o Boca vem misto, vem meia boca. Êta trocadilhozinho surrado esse! Mas fazer o quê? É fato. Também há que se considerar a decepção do Brasileirão deste ano e a expectativa de Libertadores cada vez mais distante do ano do centenário. Isso tudo tá tirando um pouco o brilho do jogo de amanhã. Até aí, são circunstâncias aceitáveis.

Agora, o que não dá pra aceitar, é torcedor colorado de salto alto, isso não dá! Porque em 2006, a gente ainda tava naquela, as quatro velhas estrelinhas no peito e uma delas era da Copa do Brasil. Nosso cartel de jogos internacionais recentes era escasso, mas a torcida nas arquibancadas fazia do Beira-Rio um caldeirão, fosse contra o Maracaibo, campeão da Venezuela, fosse contra o São Paulo, campeão de tudo.

Até 2006, tudo o que viesse era lucro, mas nem por isso a torcida pensava pequeno, nem por isso se satisfazia com pouco. Só que até então, se valorizava cada dividida, cada desarme, cada lateral. Foi aquela torcida que fez 1 x 0 contra o Boca no último segundo. Foi aquela torcida que substituiu o Tinga contra o São Paulo em 16 de agosto. E aquela torcida é a mesma de hoje, a mesma de amanhã.

Amanhã à noite, tem Inter x Boca Juniors no Beira-Rio. E não quero saber por que competição nem por que fase. Não quero saber se é time completo ou meia boca. E também não quero saber se a lua vai estar brilhando ou se vai cair o mundo na hora do jogo. Amanhã, eu quero começar a cobrar uma conta que ainda está viva na minha memória. Amanhã, eu quero fazer, mais uma vez, parte da história colorada e do futebol gaúcho. Amanhã, eu quero ver o Inter mastigar o Boca em campo. Com os incisivos (Índio e Bolívar) corta, com os caninos (Edinho e Magrão) rasga e com os molares (Alex, Nilmar e D’Alessandro) tritura.

Mas mais que isso, quero ver a massa colorada matando a pau nas arquibancadas, com sangue nos olhos ao lado dos jogadores, vibrando a cada lance, a cada dividida, a cada desarme! Porque amanhã, cada colorado que entrar ao Beira-Rio tem que ser um Guiñazú. Tem que contagiar o time em campo e fazer com que o grito da galera supra a ausência do “perro loco” no gramado.

Amanhã é dia! Amanhã é o dia! E eu já tô com água na boca!

VAMO INTEEEEERRR!!!!!



segunda-feira, outubro 20, 2008

Bocas (e seus dilemas)

Eram oito e meia da manhã quando despertou, lavou o rosto e foi para o computador. Passou os olhos sobre as notícias e foi até a cozinha. Voltou. Ainda com um pouco de sono, bebendo o café que aquece o corpo e reativa o metabolismo, olhando despretensiosamente a mescla de propaganda e notícias, pára os olhos numa, quando, no exato momento, abre uma daquelas janelas do tipo assombração, que aparecem do nada e tapam o meio da tela.

* Essas janelas de publicidade são a versão virtual do panfleto. Com a mesma velocidade em que se diz “não, obrigada” na rua, se clica o pequeno xis no canto direito.

No momento, atrapalhou-se com aquela janelinha ordinária, acabou clicando na publicidade, tentou voltar na página, abriu na inicial, procurou o link outra vez e lá estava. Não pôde acreditar. Ainda com a tonturinha matinal, levantou com pressa da cadeira, esqueceu do bico do armário ao lado, deu de quina e chutou sem querer uma porta semi-aberta. Mancando, seguiu pela sala e conseguiu registrar que a xícara esquecida na ponta da mesa não era lenço, tomou pelas mãos o telefone e discou.

- Como é que tu fez isso??
- Eu não tive culpa.
- Bocaberta!
- Não tive escolha, o patrão ali é boca braba.
- Jacaré não vai pro céu!!!!!
- Nã... não é bem assim, eu fiz boca de siri.
- Que mané-siri! Boca grande!!!
- Ah, nem vem, circulou o boato à boca pequena. Não deu pra segurar. Eu só confirmei.
- Cala a boca!
- Agora é tarde...
- ...
- Olha, não leva pro lado pessoal, são coisas que acontecem.
- A boca fala, o corpinho paga.
- ...
- E agora?
- Agora abstrai. O que tá feito, tá feito. E dá um jeito de resolver essa briga antiga.
- Mas quando?
- A chance tá logo ali. Hoje é só especulação, amanhã que se vê a hora da verdade.
- E como eu faço?
- Tenha malandragem e cuidado.
- Com o que?

- Ora, com o que?! Pô Col! Tu, um nobre colega de cornetagem, me liga soltando os cachorros porque eu contei o dia e hora da tua chegada no Salgado Filho. Eu não tive culpa, o Louis me botou na parede, a Diana contratou fotógrafo. O Daniel me ligou, fingindo ser o Abel, eu acreditei! Falava assim “vamoxxx pra dentro de vocêxxx”. Pô, vai pra dentro deles ora! Comigo é sacanagem... O Abel!!!
Não tive escolha, era isso ou a identidade do CJR... E, desculpa aí, mas a gente fundou a InterNéchional Cornetêchion Associêchion juntos, tu chegou depois. É o caçula. Tem mais, tu que começou essa confusão, pra que falar do Alex? Eu tô contigo, não chamo essa farsa nem pra futebol de botão, mas pra que fazer aposta? É de ficar, literalmente, com as calças na mão! Esqueceste os mandamentos? Tá lá, não confiarás naquele que convoca Wagner Love. Se até esse vai, por que não o Alex?? Quanta ingenuidade.
Tem que cuidar quando fala.
Agora ainda me pergunta, malandragem com o que?
- Tah Nelson, com...
- Boca!!!

E vamo-le-que-vamo.

domingo, outubro 19, 2008

VIVO?

Mas um jogo noum sabado em que to trabalhando e so me resta gravar o jogo e assistir depois. Já é Domingo de manha e só agora to vendo o jogo. Não sei o resultado, evitei ler os sites e nem abri o email ou a BV ainda.

- São 15 de jogo e o Inter tá jogando bem, movimentando a bola. Estou vendo o Lauro pela primeira vez já que o jogo do Goias acabei nem assistindo o VT.

- O Atletico PR não é um time que eu torço para cair. Gosto de clube que tem estadio bacana e boa organização eles não merecem cair. Mas por hoje tem que perder mesmo.

- Uma grande diferença em relação ao Alex de hoje e o Alex do passado é a confiança dele. Ele procura a bola. Pensa bem, na final do Mundial o Alex se escondia, hoje não. Pode botar o Chelsea na sua frente que ele vai querer a bola.

- 24. Nilmar faz boa jogada mas perde gol.

- Esse jogo ta com cara de 1 a 0 gol de penalti...

- Atletico chegando bem pelo lado esquerdo, quse fizeram gol. Sempre uma Avenida na esquerda, ou a Avenida Marcão ou Freeway Gustavo Nery.

- Engraçado de todos os jogadores que terminaram a partida contra o Barcelona e que está em campo agora, seguramos o pior de todos. Edinho.

- Golll...Nilmar...passe do.....Alex. Agora que Inter vai jogar o restoi da partida?

2 Tempo

- Esse Dalessandro não apender a calar a boca. Reclama de tudo e exagera em faltas recebidas.

- Estou ouvindo grito de "Colorado..Colorado" no estadio?? Fazia tempo que ao menos pela TV eu não escutava esse grito.

- Lauro porenquanto seguro, sem ser muito exigido. So o nome dele que não é de goleiro, goleiro tem que usar sobre nome. Qual o dele? Nao posso ir no site agora pra nao revelar o resultado do jogo. Imagina Taffarel usando some nome Claudio...não seria a mesma coisa. Muda de nome Lauro! :)

- Lembram de deixar suas notas no BLOG SCORE na coluna direita do Blog.

- Ai Andrezinho me perde um gol feito. 18 do 2 Tempo.

- Po o cara me leva um Vermelho direto numa falat no Edinho..cara burro era so deixar o Edinho ir que logo perdia a bola.

- Golaço Alex! Gol que mostra denovo sua confiança. Passe do Nilmar.

- Bobeada do Angelo e tomamos um. Entra DC e Taison sai Alex e Dale

- DC ta devendo e muito. Entrou tentou duas faltas mas bateu por cima. Taisson entrou bem.

- 41 ta 2 a 1. Vai DC em mais uma falta...nao foi Angelo, na trave....

Fim, 3 pontos somados, mas será um pouco tarde demais? Jogamos tanto mas tantos pontos fora que até os mais otimists como eu fica dificil acreditar que vamos somar pontos fora de casa contra San Pablo e outros...Continuo acreditando que so um milagre onde ganhamos tudo fora de casa pra inverter a situação, mas já falamos isso a 2 anos e sempre acabamos barrando num Parana ou Coritiba da vida. Vai ser muito dificil.

sexta-feira, outubro 17, 2008

Melhores do Blog Vermelho: VARZEANAMENTE

Até hoje são 2358 (com esse) topicos criados no Blog Vermelho nos quase 3 anos de vida desse Blog. Muitos topicos foram muito bem escritos e merecem ser lembrados de tempo em tempo. Por isso esse topico. Não vou "upar" os topicos, vou deixa-los no seu proprio dia, mes, ano mas vou copiar o texto e colocar num topico novo como esse. Conto com a ajuda de vocês para sugerir textos classicos do Blog Vermelho.

Para começar decidi achar qual foi o primeiro topico a chegar a 100 Comentarios e pesquisando achei esse topico do Dudu um bloguista que teve passagem rapida pelo blog. É legal tambem recordar como eram as coisas.

Então vai ai o primeiro da serie "Melhores do Blog Vermelho".

Varzeanamente

Quinta-feira, Julho 19, 2007

Escrito por Dudu Guimarães as 11:44 AM

ESCRITO POR DUDU GUIMARÃES

Gallo ontem se superou. Realmente, conseguiu criar um esquema tático nunca antes visto no futebol mundial: o 3-3-1-3.

Três zagueiros, três volantes e três atacantes. E um perdido, o senhor Magal.

Se vocês acham que o esquema é outro, beleza! Não tem problema. Acho que ninguém entendeu a formatação mesmo.

No primeiro tempo - e até o pênalti bem cavadinho pelo Iarley - o lado direito, pelo qual supostamente haveria de transitar o glorioso Magal, ficou completamente deserto, sem saída para frente e sem marcação.

Com esse esquema genial, ficavam Pinga e Iarley correndo como loucos para arrendondar alguma coisa, mas nada acontecia: a pelota chegava bicuda, de ligação direta, barbada para o grande Betão, um verdadeiro zagueirinho de botão. Até rimou!

O pênalti foi uma de nossas sortes, porque fez o Prof. Gallo Pardal tirar um atacante e colocar mais um no meio, o Roger. Aí melhorou um pouco. O que, aliás, é meio óbvio: tocamos um pouco mais, retivemos a posse da bola e o ataque parou de ser aquele bate-e-volta incessante.

Mas a nossa verdadeira sorte foi o jogo ter sido contra o "time" do Corinthians. Que time bem ruim! Mas de dar pena!

Do jeito que o Internacional estava "organizado", com esquema que não se vê nem na Copa Paquetá, pegando um time menos ruim (essa a expressão mesmo), tomaríamos algum gol (e não por falhas do Clemer, que, aliás, vou te contar, hein?)

Depois do jogo, o Gallo explicou porque fez aquela arquitetura toda. Disse que vai continuar mudando, em função do adversário e o escambau.

Cara, futebol é simples: faz um esquema (bem fácil, de preferência, porque jogador, por mais inteligência que tenha, sempre é meio burro), treina o esquema e dá seqüência. Senão não vai.

Lembrem da América 2006: o time se acertou quando o Abel (ou Fernandão, ou a direção) adotou um esquema simples, equilibrado, e repetiu.

Desse jeito varzeano podemos até ganhar alguns jogos, mas acho que a coisa não fica sólida o suficiente para chegar bem no final.

Simplifica, seu Gallo.

quinta-feira, outubro 16, 2008

O mundo ao revés

Havia uma época em que não existiam notas fiscais, recibos, investimentos, bolsa de valores. Tudo se firmava pela palavra. Nada valia mais do que a palavra. Uma vez dita, era tomada como registro oficial. Dinheiro era algo que se podia tocar, não havia ações. Antes mesmo da moeda o valor de troca eram quantidades de sal, daí surgiu o termo salário.

Nessa época as pessoas cultivavam relações francas, ainda que algumas, nem tanto. Existiu escravidão, exploração e censuras religiosas. Caçaram bruxas, dizimaram a África, descobriram a América e aqui, hoje, estamos nós.

Tem uma história ótima do escritor uruguaio Eduardo Galeano. Quando criança, disseram-lhe durante a aula que Nuñez de Balboa havia sido o primeiro a vislumbrar os dois oceanos, Atlântico e Pacífico. O pequeno prodígio ergueu o braço perguntando: Os índios que lá viviam eram cegos?

Precoce Galeano, idealista de um mundo em seu lugar, que vive ao revés. Como pode alguém descobrir uma coisa que já existe? E todo mundo aprende na escola o que é o “descobrimento”. Só se foi a descoberta de alguma bunda de índia, mas aí, bundas me mordam!
(né Fabiano)

A história registrou duas guerras mundiais, os Estados Unidos firmaram-se como a grande potência, bolsas de valores crescem, tornam-se o grande centro do dinheiro no mundo e, ironicamente, o dinheiro não é dinheiro, são títulos. A maior concentração financeira que decide o destino do mundo vive de especulação, palavra então destinada a definir de maneira elegante: boato, fofoca.

Passada mais da metade do ano de 2008 e a grande potência sucumbe por suas próprias pernas, idéias, armas e seus fins - que não justificam os meios. O principal candidato à eleição presidencial no país é um negro e poderia ter sido uma mulher, ambos casos inéditos. Por décadas o país merecedor do ódio que expele os nervos de uma criança mirando seu algoz violento, encontra-se hoje a cerca da minha simpatia. Porque, incrivelmente, o sucessor deste deve ser outro, onde bebês (meninas) são assassinadas pelos pais, onde jornalista é preso por falar, o cidadão humilde recebe pouco e trabalha mais, sustenta a máquina do estado que lhe amordaça, ainda que um pouco lhe conceda e, o mais bizarro, os caras conseguem bater em monge. Posso acordar um dia exclamando, que saudade do americano.

As coisas acontecem e a gente se cala. É o milênio dos tapinhas nas costas. Todo mundo acha normal omitir, dizer uma coisa e depois fazer outra, chama-se a geração do descompromisso. Não é necessário explicar-se de nada. É até chato isso. Parece coisa de gente carente. Pra ser descolado tem que ser quietinho e depois fazer cara de quem não entende o porquê de tanta agressividade. Hoje em dia, a gente pede desculpas pela franqueza. Me desculpe a franqueza... Como se ser franco fosse algo ruim.
Hoje em dia torcedor acha patético o discurso do time que diz “ainda lutamos por vaga na Libertadores”, como se bom fosse ouvi-los dizendo “azar do próximo jogo, já era”. Pensando bem, o mundo sempre teve de cabeça pra baixo, pois ainda existe, como falei no início, escravidão, exploração e censuras religiosas. A África não levanta e se tiver que ser normal pra fazer parte de tudo que tá ao contrário, eu prefiro ser bruxa.

Que loucura, não te parece ridículo?

Robinho x Venezuela é igual à Alex x Zéquinha



O título é uma brincadeira.............

Então, recém saído dos sábados aqui no BV, e meio que na correria, estamos com a responsabilidade de escrever algumas besteiras em contra-ponto à maestria das palavras da Diana, agora com uma recheada de uma bagagem cheia de euros gastos em prol de conhecimento e cultura ´in-loco` que já vem deleitando-nos todas as 5ªs feiras.

Espero não ser um corneta nem muito chato ou razinza, mas não prometo...pois é meu jeitinho, só aqui nos teclados, pois no mundo real sou um pouquinho menos mala...inclusive tomei uma justa ´chinelada` doméstica da minha patroa que achou meu post de sábado último apelativo e ácido !

Vejam ontem o Brasil, bom goleiro, uma boa defesa, na frente dela dois jogadores que foram um dia bons e hoje nem passam de razoáveis para uma Seleção que tem a fama de ser a melhor do Mundo e na frente mais quatro jogadores soltos e sem qualquer orientação a não ser partir para cima na ´individualidade` e técnica.

O que aconteceu de domingo para 4ª feira? Simples, foi o mesmo que aconteceu na rodada anterior das Eliminatórias, quando os times querem ganhar do Brasil, deixam enormes espaços, daí os Robinhos deitam e rolam, só que qualquer time que se fechar atrás acaba com o ´melhor futebol do mundo` no ´papel`.

Porque acontece isto ? Ora, porque ainda não inventaram um futebol competitivo sem articulador, sem bolas de linha de fundo, jogadores ´meramente` espalhados no campo de jogo, superposição de algumas funções e falta de outras.

Ontem tivemos 02 primeiros volantes, nenhum articulador, 01 cara sózinho no ataque, aproximação e tabela eram raros, e a individualidade não deu conta do recado, como nunca dá contra time fechado....o que tinha que fazer o Dunga ? Titer um deles e colocar mais criatividade, mais dinâmica, rapidez e inversão de bola no meio-campo para fazer os laterais apoiarem, o que nunca aconteceu, pois as laterais do campo já estavam ocupadas por Elano depois Mancini e Robinho...

Agora pensando no Inter, é exatamente o que vem acontecendo, principalmente este ano, o Gauchão foi uma festa, já na Copa do Brasil e Brasileirão as coisas são resolvidas (mal) por individualidades...quando dá, maravilha, carrossel, melhor plantel, galácticos, etc...quando não dá, ninguém lá dentro sabe o porquê e assim vamos ao sabor dos adversários....

O Tite descobriu o Ramon, então teremos daqui para a frente Edinho e Ramon saindo ou com a bola, o que não sabem fazer, ou grudados na zaga, deixando os 04 da frente contra 08 adversários, 04 jogadores muito técnicos e de pouca imposição física, sem falar que nossa zaga não é confiável, laterais não existem, goleiro à ´beira do abismo`...

Futebol é tão simples...mas se ninguém complicar os salários seriam mais baixos....como ali na Azenha....

Uma coisa que sempre afirmei, são os jogadores que deveriam ser gratos ao terem vestido a camisa do Inter e não ao contrário como parece vem acontecendo desde 2006, o Renteria é eterno exatamente por ter entendido isto, apesar de pouco tem e um futebol apenas razoável conquistou a torcida colorada...é exemplo para alguns ´arrogantes` ....

Abraços colorados e sábado tem futebol dos Blogueiros, todos estão convidados....





QUE PENA



Que pena que o Saci Renteria não fez um gol ontem para a Colombia pois ele ia mostrar ao mundo como o Inter o marcou. Teria sido uma bela homenagem ao Inter e aos Gauchos que são geralmente desprezados pelos Eixo Paurioca. Teria sido um belo tapa na cara.

De qualquer maneira a ideia mostrou o amor do Renteria ao Inter o que em si já valeu a pena. Mesmo nesses dias onde só o $ importa é legal ver que a camisa e a torcida deixa sua marca em alguns jogadores.

Valeu Renteria!

PS:

E na sugestão do Alexander, vamos lembrar esse grande momento do Saci.



Escalação do Blog Vermelho

Algumas mudanças na escalação do BV. A partir de hoje Nelson sai dos Sabados e começa a escrever na Quinta junto com a Diana. Outra troca é a do Davi para as Quartas e Malafa para as Terças. No resto, porenquanto, tudo continua como está. Sabado está aberto e estou aceitando emails de pessoas que queiram se candidatar para escrever nesse dia. O novo nome(s) será decidido na proxima semana e os que não forem escolhidos serão lembrados em futuras "convocações". Mas agradeço a todos que estão mandando emails!

PS:

Alguem ainda acredita que dá pra chegar a Libertadores 2009?

quarta-feira, outubro 15, 2008

ALEX: Vinte e Seis.


Voltando ao futebol eu não poderia de deixar de postar uma foto do Alex na seleção!

Não vi o jogo, tava na estrada, mas imagina se ele tivesse feito os gols da vitoria, ia ser demais. Hehehe.

Quando der um tempo vou recuperar as estatisticas do ano que faz varias rodadas que eu não tenho tido tempo para atualizar. Com certeza Alex continua no topo.

O Pessoal que não gosta do Alex, continua não gostando? Será que ele não provou que ele não é mais o mesmo de 2006 ou 2007? Eu acho que ele já provou que é um jogador muito melhor daquele do passado.

Lembram ele tem 26 anos de idade. 26 é a idade em que boa parte dos jogadores atingem seu auge em campo. Acho que foi assim com varias estrelas do futebol Mundial. Por exemplo, Maradona 26 em 1986. Falcão 26 em 1979. Zidane 26 em 1998. Ronaldinho Gaucho 26 em 2006 e por ai vai....

terça-feira, outubro 14, 2008

LUTO

Estamos de luto aqui. Hoje perdemos meu Sogro, uma pessoa muito legal que me recebeu muito bem na sua familia. Ele era um homem que fazia de tudo possivel ou impossivel para suas 3 filhas e esposa. Um homem incansável e trabalhador e que mesmo nao conhecendo muito o Inter ele sempre me perguntava como tava meu time e ficou feliz quando fomos até o Japão e voltamos campeões.

Nessa foto ele está na esquerda comigo e com meu Pai a uns anos atras quando fomos ver uma partida de Basquete em New York.



Chuchu

O chuchu é mesmo uma coisa sem graça. Pra começo de história, é uma hortaliça que não tem gosto de nada. Além disso, não tem nem forma nem cor bem definida. Pode ser branco-creme, verde-claro ou verde-escuro, liso ou enrugado, com ou sem espinhos. Enfim, o chuchu, além de sem gosto, vive em crise existencial.

O coitado do chuchu é insosso até no nome. Ora, vejam se tem fundamento essa repetição boba de duas sílabas compostas por três letras: chuchu. Repitam em voz alta: chuchu, chuchu. chuchu. Que coisa mais ridícula!

Mas pior que isso é a sua origem: filho de trepadeira! Nada contra as trepadeiras, muito pelo contrário, mas me digam vocês: quem é que gosta de, publicamente, admitir que é filho de uma trepadeira? E pior é que em virtude disso, vem aquela outra máxima da sabedoria popular: “Aquela ali dá mais que chuchu na cerca!” Pô, além de filho da trepadeira, o chuchu, que é masculino, tem fama de fresco. Já não bastasse o coitado do chuchu ser sem gosto, insosso, sem graça, ainda tem a sua masculinidade posta em dúvida.

E ainda tem aquela piadinha de que chuchu na cerca é igual à mulher da gente, o cara come só para o vizinho não comer, mas, mesmo assim, não tem gosto de nada. Bah, mas é o fim da picada! Pobre do chuchu!

Mas pior é que, embora não tenha gosto de nada, a maioria das pessoas que conheço, dentre as quais me incluo, afirmam que não gostam de chuchu. Mas como é que se pode não gostar de algo que não tem gosto? Bem, menos mal que ainda há quem diga que não gosta de chuchu, pois pior do que não gostar de algo, seria simplesmente ignorar a sua existência.

Bueno, o que posso dizer nessa terça-feira igualmente chata e insossa é que o Inter conseguiu, ao cabo de vinte e nove rodadas, transformar o Campeonato Brasileiro num verdadeiro chuchu. Pra nós, pensando exclusivamente nos interesses diretos do clube, a principal competição nacional, que além de ser o título máximo dentro do país também confere vagas à tão sonhada Libertadores, perdeu completamente a graça. Acho que nem pro Sport o Brasileirão ficou tão sem graça, tão igual ao chuchu, como para nós, colorados.

Contra o rebaixamento a gente nem precisará brigar, menos mal. Vaga pra Sul-Americana (que para muitos também não tem gosto, igual ao chuchu), é praticamente garantida. Vaga na Libertadores ficou praticamente impossível e o título, então, melhor nem falar a respeito.

Mas como tudo ou quase tudo na vida é relativo, há também quem jure de pés juntos que gosta de chuchu. Dizem que há receitas disso e daquilo e que, nesses pratos, o chuchu fica uma delícia! Sei lá, pra mim chuchu e nada é quase igual, mas quem sabe nessas últimas rodadas ainda não aparece um milagroso chefe de cozinha lá no Beira-Rio, que consiga fazer com que o Campeonato Brasileiro ainda tenha algum gostinho para a torcida colorada. Ou, pelo menos, que deixe uma boa dica de um prato para se comer com a porcaria do chuchu.


FALL

A Palavra FALL em Ingles significa Queda mas tambem significa Outono, que é a estação que vivemos aqui e no primeiro sentido que vivemos no Beira Rio. Se não uma queda daquelas que até hoje nunca vivemos, uma queda do sonho de voltar a Libertadores. E pela 30 vez seguida uma queda no sonho de conquistar um Brasileirão.



Seguindo a linha do texto da Diana, tambem vi coisas bonitas esse fim de semana. E pelo jeito estamos passando o tempo da mesma maneira, tirando fotos de vegetação! Fui trabalhar no Norte do Estado de New York onde o Outono já chegou como mostra as cores das folhas nas Arvores na foto que tirei acima. É melhor epoca para turismo nessa região "do vinho" na parte leste dos EUA. As cores espetaculares. Depois de passar 2 dias nos Finger Lakes (4 horas pro Norte da minha casa) subimos mais ainda. Mais 2 horas até a fronteira dos EUA com o Canada onde fomos passar 2 dias numa chacara de um amigo que fica na beira do Lake Ontario, um dos 5 "Great Lakes" da America do Norte. Lake Ontario que é um dos menores dos 5 é mais ou menos 2 vezes o tamanho da Lagoa dos Patos. Essa foto eu tirei na hora do por do sol, a cor tá exagerada pois tirei a foto com meus oculos de sol na frente da lente da camera.



Depois de ver essas belezas todas voltamos lá de cima, cá pra baixo e não fiquei nem um pouco surpreso com a perda de mais 2 pontos no Brasileirão. É o Fall chegou mesmo, as folhas estão caíndo das arvores e com elas as ultimas esperanças de todos os Colorados.